domingo, 4 de maio de 2014

Do fim que vem antes do começo.

Clique aqui para ler com a música :Let Her Go


                                       

Já vi mais finais do que começos.Eu não sei a palavra pra algo que termina sem começar,poderia ser pré alguma coisa,ou sei lá,mas posso dizer que conheço bem o pós.O pós adeus,o pós último beijo,o pó- nós- dois.Já tive outros fins,mas esse foi o único que terminou com um sim.”Sim,é isso” veio em resposta a minha pergunta-afirmação “ Você não quer nada além de amizade,não é isso?!”.
E todas as palavras se misturaram à bebida forte,a cabeça girava,as pernas não encontravam o caminho da saída.Por um instante parecia que eu havia sido atingida bem no meio do peito por um objeto cortante.Por um instante eu desacreditei das palavras soltas.Bebi aquela coisa que eu já nem lembrava o nome,bebi até o fim para ver se fazia algum efeito sobre a dor de amar sozinha.Tá,eu sei ,todo mundo já passou por isso na vida.Quem nunca teve que ir embora antes da música terminar?

 Eu tive que ir mesmo cambaleando, e me contive para não  olhar para trás e pedir desesperadamente que pensasse melhor.Fui madura pra sair na hora certa;pedindo licença,e fazendo cara de sóbria.Minha postura intacta não demonstrava o caos que estava dentro de mim,muitas coisas se passavam pela minha cabeça.Tinha uma culpa insistente me dizendo que talvez eu tenha rido demais das suas piadas,ou talvez tenha sido sincera demais.Vai ver eu devia ter feito joguinhos,devia ter ignorado o seu “bom dia” no Whatsapp ,ou ter fingido não me importar com nada do que você fazia.Será que se importar demais causa repulsa ao amor do outro? 


Milhões de pensamentos insanos rodeiam a mente quando queremos encontrar justificativa para a falta de reciprocidade. Não há! Não foi culpa minha, não foi culpa sua,não existe culpa de lado algum.Só não aconteceu da mesma forma para os dois.
Eu tive que ir,você deixou que eu fosse.Soltei sua mão e segui meu caminho turvo,meio sem luz,pelo menos estava naquele momento.Nada poderia ser feito,ir foi o ato corajoso e preciso.Tô indo porque o que sinto vai crescer se eu ficar,e essa “coisa” grande vai querer companhia.Não tente manter contato,seria difícil matar o que sinto se ainda estiver aqui.Apenas deixe-me ir..


**O texto apresentado não tem caráter biográfico**

4 comentários:

  1. Que texto!!!! Adoro o que escreve, de verdade, pode acreditar. "Quero te perder com a dignidade dos que tombaram, após haverem lutado, após haverem dado tudo de si. Quero te perder com a conformação dos que aceitaram sua derrota, após haverem tropeçado em suas próprias limitações". É isso, ótimo Laila!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fábio querido,é sempre um prazer tê-lo por aqui.Obrigada pelas palavras,beijinhos :))

      Excluir
  2. Fui me emocionando em cada palavra e a música me emocionou. Sentimentos pularam em minha tela. Finais são sempre dolorosos mas nada pode adiar o que está para acontecer,se culpar não é certo. Keep calm and carry on. E quando a saudade apertar se desfigure nas palavras,elas são sempre os melhores remédios.Quando der de uma passadinha no meu blog,no pior dos casos você ganhará uma amiga leitora e blogueira. Beijinhos http://luizadevaneios.blogspot.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Luíza,fiquei tão feliz por ter te proporcionado essa emoção,pois é isso que todo escritor quer né.
      Volte mais,se emocione mais...
      Beijos flor :)

      Excluir

E aí,o que achou?